HomeNossa HistóriaFotosVídeosArtigosTestemunhosDownloads
NotíciasProjetosMinistériosShopping AgnusLocalizaçãoFale ConoscoÁrea do Servo
 
 
 COLUNISTAS
   Ademir Henrique
   Alex Ferreira Calado
   Joao Henrique Santos
   Jonas Cleiton Silva Ramos
   Jucelia Rocha
   Leonardo Sotolani
   Luiz Carlos F. Calado
   Ronnei Peterson
   Vanessa Ferreira
 
 CATEGORIAS
   **Mostrar tudo
   ** DIREÇÃO GP
   ** LITURGIA DIÁRIA
   ** NOTÍCIAS
   ** PALAVRAS DE SABEDORIA
   ** PROJETOS
   ** RAIO X DO SERVO
   ** SANTO DO DIA
   Agnus Dei
   Canção Nova
   Comunidade Fanuel
   Comunidade Shalom
   Formação Oração Pessoal
   Outros
   RCC Brasil
 
Artigo: Por que na missa não se diz "amém" no final do Pai Nosso?
Subtítulo: Se o correto é terminar as orações com o “amém”, por que no Pai-Nosso da missa isso não acontece?
Data: 06/01/2016
Categoria: Outros

A palavra “amém”, um dos vocábulos mais utilizados pelos cristãos, é dificilmente traduzível em seu sentido mais profundo (por isso é mantida em hebraico, o idioma original), e utilizada sempre em relação a Deus.

Pronunciar esta palavra é proclamar que se tem por verdadeiro o que se acaba de dizer, com o objetivo de ratificar uma proposição, unir-se a ela ou a uma oração.

Por isso, expressar em forma grupal no âmbito do serviço divino ou ofício religioso também significa “estar de acordo” com o que foi dito.

A palavra “amém” é utilizada para concluir as orações. No entanto, a oração por excelência, o Pai-Nosso, quando rezado dentro da missa, não é acompanhado pelo “amém” no final. Fora da missa, o “amém” é dito normalmente.

Cabe ressaltar que o Pai-Nosso é a única oração da Igreja que está integrada na liturgia da missa.

Mas qual é a explicação para a ausência do “amém” no Pai-Nosso da missa? É simples: não se diz “amém” porque a oração ainda não terminou.

Depois de todos rezarem o Pai-Nosso até o “… mas livrai-nos do mal”, ao invés de dizer “amém”, o sacerdote continua a oração sozinho. A liturgia chama isso de “embolismo”, ou seja, essa oração que o padre reza sozinho é uma oração que recolhe e desenvolve a oração precedente.

O sacerdote desenvolve a última petição do Pai-Nosso (“livrai-nos do mal”) dizendo:

“Livrai-nos de todos os males, ó Pai, e dai-nos hoje a vossa paz. Ajudados pela vossa misericórdia, sejamos sempre livres do pecado e protegidos de todos os perigos, enquanto, vivendo a esperança, aguardamos a vinda de Cristo salvador.”

E o povo responde com uma aclamação muito antiga, cuja origem se perde nos primeiros séculos da história da Igreja:

“Vosso é o Reino, o poder e a glória para sempre!”

Assim, o Pai-Nosso fica totalmente integrado à liturgia eucarística, não como um acréscimo, mas como parte fundamental dela.


Fonte: Rádio Coração
Voltar para página de artigos
Comentários

Nome(requerido)

Email(requerido)




mais comentários clique aqui ...
Todos os direitos reservados a Invictos Tecnologia
Versão 1.0.0.104